Adeus a Paulo Cezar Saraceni

Morreu no sábado (14) o cineasta e roteirista Paulo Cezar Saraceni, aos 79 anos. Saraceni estava internado desde outubro do ano passado, por ter sofrido um acidente vascular cerebral (AVC) e morreu em função de falência múltipla de órgãos. O velório aconteceu no domingo, dia 15, no Parque Lage.

O cineasta é considerado um dos precursores do Cinema Novo brasileiro, junto com Nelson Pereira dos Santos, Cacá Diegues e Glauber Rocha. Saraceni estreou com o curta Arraial do Cabo, em 1959. Uma de suas obras mais conhecidas é Capitu, de 1968, na qual adaptou o clássico da literatura brasileira Dom Casmurro, de Machado de Assis. Em sua carreira, o cineasta recebeu prêmios como o melhor filme do Festival de Brasília, com A casa assassinada, de 1970, e o Prêmio Especial do Júri do Festival do Cinema Brasileiro em Miami, com O viajante, de 1998. Glauber Rocha afirmava que o verdadeiro autor da famosa frase "Uma ideia na cabeça e uma câmera na mão", que definiu o Cinema Novo, era Saraceni.

Seu último trabalho foi o filme O gerente, produzido no ano passado e baseado em um conto de Carlos Drummond de Andrade. Por meio da nota, a secretária de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, Adriana Rattes, lamentou a morte de Saraceni ao dizer que “o cinema brasileiro perde um de seus artistas mais arrojados e provocadores, um pioneiro e um rebelde eternamente indomado”.

Volta