O Globo
A feira da corrupção
Carlos Diegues

Li, em algum lugar, alguém dizer que uma das origens de nossa crise está na perplexidade e consequente insegurança de nossa classe média ao se dar conta de que, depois dos dois mandatos de Lula, os pobres às suas costas se aproximavam dela, enquanto os ricos à sua frente se afastavam cada vez mais. E ela se assustou. Acho que isso é mais uma imagem literária do que propriamente uma correta análise sócio-econômica. Mas vale à pena pensar nessa ideia, como exercício de compreensão do país.

No Brasil, a maioria dos trabalhadores (com emprego) ganha menos de dois salários minimos por mês, sofre nas filas do SUS (quando não morre antes de chegar sua vez), mal tem como colocar seu fiho na escola (e, quando o consegue, o tiroteio em volta não deixa o menino ir às aulas), etcetera e tal, toda a miséria que já conhecemos.

Enquanto isso, a elite financeira suborna instituições, bancos e empresas estatais, juizes e políticos, por mais lucro. Só a JBS corrompeu 1.829 homens públicos, cifra declarada pelo próprio responsável pela empresa. Aqueles partidos políticos que, por pequenos, não se beneficiavam do banquete da corrupção, se serviam (e se servem) do Fundo Partidário, dinheiro público à sua disposição, além do repasse, a terceiros e a bom preço, de seu tempo gratuito no rádio e na televisão.

Achaques, subornos, propinas, compras de leis, Medidas Provisórias e decisões judiciais (naquela famosa gravação, Joesley afirma ter juizes e um procurador no bolso). Essa feira da corrupção não era frequentada por todos e podia não ser conhecida em detalhe. Mas era percebida, no ar e em suas consequências, pela população mais atenta aos acontecimentos públicos e aos noticiários. Justamente aquela classe média assustada.

É sintomático que ninguém, nenhum lado esteja indo maciçamente às ruas, num momento em que mais se agrava a situação política que, consequentemente, mais pede uma intervenção. Por outro lado, as redes sociais na internet nunca estiveram tão animadas, nesses seus poucos anos de existência.

Na rua, representamos sempre um grupo, somos parte de um partido ou de qualquer outra entidade, no seio da qual nos tornamos anônimos. Na internet, é a nossa própria voz individual que se manifesta livremente (ela só não é livre, se não quisermos), sem compromisso com o que os outros pensam e dizem (mesmo que ali repitamos, tantas vezes, as falas de quem admiramos).  A internet é um campo de ação política singular, que só pertence a nós mesmos. Tenho a impressão de que é nela (ou é sobretudo nela) que essa nova classe média vai se manifestar politicamente, daqui pra frente. E, quem sabe, o resto da população talvez a siga, por falta de alternativa.

Só na internet podemos rir de uma tirada politicamente radical, como a postada recentemente pelo brilhante Gael Garcia Bernal, jovem e popular ator mexicano, comentando a agressividade de Donald Trump contra seu país (incluindo a ideia louca do muro entre ele e os Estados Unidos). “Se é para brigar”, afirmou Gael, “bem que o México podia pedir a restituição de territórios como California, Texas, Novo Máxico e outros, conquistados pelos americanos na porrada, como podemos ver em alguns blockbusters de sucesso, estrelados por John Wayne”.

Não foram só os ladrões públicos hoje famosos, tipo Eduardo Cunha, Sergio Cabral ou Aécio Neves, nem só os bandidos da Petrobras de tantos nomes e caras horrendas. Não foram só esses que nos incomodaram. Aquela dupla sertaneja da JBS, hoje isenta de punição, representa muito bem os criminosos que, além de roubar o país e a nós,  destruiram nossos sonhos, jogaram no lixo nossas esperanças, riram de nossa ingenuidade, nos trataram como babacas, enquanto tomavam, para seu uso pessoal, os recursos de nossos hospitais, escolas, transportes,  saneamento, segurança, tudo o que os nossos governos não fizeram.

Mas ainda temos exemplos luminosos a seguir. Bob Marley ia fazer um show pela paz, quando direitistas invadiram sua casa e atiraram nele, que ficou ferido. Dois dias depois, mesmo ainda ferido, Marley voltou a subir num palco em praça pública para cantar pela paz.  E cantou diante de uma multidão encantada. Alguém então lhe perguntou porque arriscara tanto sua vida. Ele respondeu: “As pessoas que tentam tornar esse mundo pior não tiram um dia de folga. Como é que eu posso tirar?”.

Entre a pobreza do real e o exagero do sonho, não existe apenas a irracionalidade, a brutalidade e a ganância dos que estão em campo.


cacafdiegues@gmail.com


Volta